consultorio termas monfortinho anos 40_edited.jpg

As Termas de Monfortinho

entrada termas monfortinhos anos 40_edited.jpg
corredor termas monfortinhos anos 40_edited.jpg

A história

Junto à Serra de Penha Garcia e à margem direita do Rio Erges que aqui delimita a fronteira luso-espanhola encontramos as Termas de Monfortinho e a sua nascente de água mineral da Fonte Santa cuja exploração do manancial já é conhecida desde o período romano, embora não exista qualquer prova que sustente esta teoria.

As primeiras referências efetivas a estas águas termais surgem com Ribeiro Sanches, célebre médico natural de Penamacor que no século XVIII descreve as qualidades terapêuticas destas águas. Também Francisco da Fonseca Henriques, médico de D. João V, no seu Aquilégio Medicinal, refere estas caldas e os seus efeitos milagrosos na cura de males articulares, da pele, do sistema digestivo e hepático, do sistema reprodutor feminino e do foro psiquiátrico.

Durante séculos, esta água mineral que brotava num local desértico foi livremente utilizado por gentes de ambos os lados da fronteira para a cura de diversas patologias, embora as infraestruturas existentes fossem muito deficitárias. Para os banhos era utilizada uma pequena casa erigida em granito, intitulada de Casa do Banho Público, de condições muito débeis e arcaicas.

A Casa de banho Público viria a ser demolida no início do século XX, aquando das obras de remodelação levadas a cabo pela Companhia das Águas da Fonte Santa de Monfortinho, que obteria a exploração destas termas.

A Companhia das Águas da Fonte Santa de Monfortinho seria fundada em 1907 por 32 sócios, sendo o seu grande impulsionador José Gardete Martins, médico e diretor clínico vitalício destas Termas. Com esta fundação, terminava o livre acesso da população a este manancial, ocorrido durante séculos, iniciando-se a empresarialização da sua exploração. Durante o período da I Guerra Mundial, as Caldas de Monfortinho conheceram um período de grave crise compensado, contudo, durante os anos da Guerra Civil Espanhola e da II Guerra Mundial, período durante o qual se observou um grande incremento do número de banhistas.

Em 1935, durante o período inicial do Estado Novo, seria constituída uma nova sociedade, formada por novos sócios, que manteria a mesma designação. Esta nova sociedade era encabeçada pelo Conde da Covilhã, Júlio Anahory de Quental Calheiros, e pelo Visconde de Guilhomil, Ruy Vieira Peixoto de Villas Boas.

Em 1940 seria construído o grande balneário, com todas as infraestruturas, e que ainda conhecemos, assim como um hotel, o Hotel da Fonte Santa.

Em 1989 são reconhecidas por despacho da Direção Geral de Saúde as propriedades terapêuticas das águas termais e em 2008 (a 19 de Março) foram adicionadas ao despacho conjunto da Direção Geral de Saúde novas funções e terapias para as águas das termas: doenças metabólico-endócrinas, reumáticas e músculo-esqueléticas, aparelho circulatório, aparelho nefro-urinário e aparelho respiratório.

O belíssimo balneário das termas, inaugurado em 1940, foi sujeito em 2001 a uma profunda remodelação, efetuada pelo Arquiteto José Luís Teixeira Pinto, que reorganizou e modernizou toda a infraestrutura criando um novo ambiente de bem-estar com áreas modernas de repouso e relaxamento.

As Termas de Monfortinho proporcionam hoje uma oferta de tratamentos mais funcional melhor e melhor adaptada à crescente procura de uma faixa de utentes que vê nos balneários termais um papel importante na recuperação do equilíbrio físico e psíquico de todos os que não conseguem escapar a um dia-a-dia intenso e aos meses consecutivos das variadas preocupações da vida citadina. Dispõe ainda de serviços individuais de bem-estar termal e repouso.

Fotografias: Postais antigos editados pela  Companhia de Monfortinho - Anos 1940s